sexta-feira, 10 de agosto de 2012

2012 – Algés – 29



De dois para cinco

aqui e aqui  foi referido este imóvel que durante anos se foi degradando

                              
                             

Durante muito tempo a obra teve pouca informação. Agora, colocada dentro da rede que “isola” a obra, a “autorização” diz que está aprovado um piso abaixo do solo  -  que entretanto já tinha sido construído  - e 5 pisos acima do solo


Actualmente a obra cresce


                              
                             

Numa zona de densidade populacional considerável, de estacionamento completamente lotado este aumento de pisos…

Há, aqui perto, outros pequenos prédios degradados que devem estar à espera de uma oportunidade de “crescerem” também. E entretanto tantas casas vazias…

Palavras para quê? É o Município de Oeiras na sua visão de grandeza. 


Imagens: Maria Clotilde Moreira / Algés   

8 comentários:

Isabel Magalhães disse...

É provável que o piso abaixo do solo seja destinado a estacionamento.

Clotilde Moreira disse...

Ficaremos a aguardar.
Clotilde

Tita Bileu disse...

BOm dia,

Lamento que antes de expor as suas opiniões não se informe convenientemente sobre a legalidade do edificio em causa na medida em que certamente o mesmo cumpre os intrumentos de planeamento e gestão urbanistica em vigor para o local isto é o PDM (plano director municipal). Esse plano para além de apontar questões de enquadramento urbanistico, obriga a salvaguardar rácios de estacionamento por forma a não gerar sobrecargas nas infra-estruturas. Assim não me parece correcto o tipo de comentários que tece sobre matérias que não domina.

Clotilde Moreira disse...

Sra. D. Tita Bileu
Não ponho em dúvida a legalidade do edificio pois no Municipio de Oeiras nada se faz de ilegal. Mas todos compreendem que a densidade do novo prédio sobrecarrega esta zona que nasceu com uma determinada amplitude.
Clotilde Moreira

Tita Bileu disse...

Sra. D. Clotilde ,

Agora explique como pode sobrecarregar a zona se fica exatamente com a mesma altura dos prédios confinantes.

Isabel Magalhães disse...

Eu não sou contra o aumento da volumetria, até porque - e por uma questão estética - é natural que acompanhe a dos prédios confinantes mas e para responder à perguntar anterior sobrecarrega na medida em que o imóvel passa de dois para 4 ou 5 pisos.

É elementar! :)

Clotilde Moreira disse...

Isabel

Este aumento de "volumetria" vai trazer mais gente e carros a uma zona já muito sobrecarregada. Eu defendo tanto quanto possível que as caracteristicas sejam mantidas principalmente, neste caso na baixa de Algés. Mas sei que se estão a preparar para de pequenas vivendas fazerem mais altos prédios quando há andares por habitar.

Isabel Magalhães disse...

Sem dúvida, Clotilde! Mas quando digo que não sou contra o aumento da volumetria note-se que foco o facto de os prédios confinantes já terem aumentado e - por uma questão também estética - ser lógico que o prédio da imagem acompanhe.

Quanto às vivendas, infelizmente não temos bons hábitos urbanísticos, permite-se construir torres e sufocar pequenas construções e outras aberrações como o carril do SATU construído sobre moradias e pequenos prédios.

Digo eu que não sou arquitecta nem engenheira - tenho apenas o hábito de olhar com olhos de ver - que uma viagem a Inglaterra seria útil a muita gente para copiar o que por lá se faz na área da construção e conservação... e do respeito pelo munícipe que investe numa habitação.