terça-feira, 9 de março de 2010

Oeiras: fim da recolha domiciliária de resíduos recicláveis

A Assembleia Municipal de Oeiras aprovou esta segunda-feira o fim da recolha domiciliária de resíduos sólidos recicláveis, suspendendo o regulamento autárquico que impunha a construção das casas do lixo nas novas urbanizações do concelho, adianta a Lusa.
Na base da decisão está o facto de 70 por cento dos resíduos recicláveis estarem contaminados, de acordo com a Tratolixo, empresa responsável pelo tratamento do lixo recolhido em Oeiras, Cascais e Sintra.
Questionado pelos vários deputados municipais sobre o fundamento desta medida, o vereador do Ambiente da Câmara de Oeiras, Ricardo Barros, explicou que o objectivo da Câmara não é acabar totalmente com a recolha do lixo porta a porta, mas apenas no que diz respeito ao lixo reciclável, «como medida de valorização ambiental».
«O que pretendemos é aumentar a quantidade de reciclagem que produzimos. Não é o que está a acontecer agora porque a maior parte está contaminada», afirmou, acrescentando que «não é verdade que a recolha porta a porta de material reciclável faça aumentar o material reciclado».
A Tratolixo «decidiu acabar com a unidade de triagem» e a autarquia «viu-se forçada a terminar com a recolha porta a porta dos resíduos recicláveis», explicou Ricardo Barros.
O vereador sustentou também que a «Câmara de Oeiras tem mais custos ao substituir as casas do lixo por ilhas ecológicas, já que se vai ter de ir duas vezes ao mesmo sítio: para recolher o lixo orgânico e o reciclável».

12 comentários:

Anónimo disse...

Sr. Vereador.

É uma questão de optimização de circuitos de recolha...se fazer bem as contas os valores não são elevados...ainda poupa.

Os seus técnicos estão ai a fazer o que?

Isabel Magalhães disse...

Quantos de nós já viram, aquando da recolha do conteúdo dos ecopontos, misturar esse conteúdo na caixa de carga das camionetas?

E que dizer da lavagem - ou falta dela - dos contentores, ecopontos e ilhas ecológicas?

Por último, de quanto equipamento, destinado a esse fim, dispõe a CMO (ou a empresa) que faz esse serviço?

Carlos Silva disse...

A questão é mesma a apontada pelo 1.º comentador e pela IM: a falta de otimização dos circuitos de recolha, a falta de controlo e fiscalização porque os encarregados escolhidos pela Diretora Zalinda Boura sao do mais incompetentes que ha (com 1 ou outra excepção), são motoristas e apanhadores de lixo sem qualquer formação ambiental, que nao sabem escrever, que dao erros sobre erros, que fizeram as Novas Oportunidades à pressa, que não sabem fazer um relatório, quando eram apanhadores de lixo já não gostavam de trabalhar. É este género de pessoas, que não tem culpa, que ela poe à frente do serviço de recolha. São pessoas dóceis, que não reclamam, que não sabem defender os seus pontos de vista. Mas nao são só estes: os técnicos também só dizem amém. A contaminação dos recicláveis é uma realidade, não que os munícipes o façam, são os trabalhadores que o fazem porque os encarregados são da treta e os trabalhadores não sao chamados à responsabilidade. O rosto des todo este processo tem um nome ZALINDA BOURA, Diretora do Ambiente.

Carlos Silva disse...

Questão: vai o Vereador Ricardo Barros acabar com a recolha seletiva em Queijas?

Anónimo disse...

Boa Noite,

O Vereador Ricardo Barros é ignorante ou está a mentir!!!

A Tratolixo não acabou com a triagem, mas sim começou a utilizar o Centro de Triagem da Valorsul, no Lumiar em Lisboa!

O Vereador como administrador da AMTRES, proprietária da Tratolixo não pode invocar ignorância !!

Será que ainda agora iniciou as funções de Vereador e já aprendeu a mentir como o Isaltino !!!

Anónimo disse...

Perdeu-se um (porventura) bom presidente de junta e ganhou-se um vereador pateta. Já havia suficientes.

Carlos Silva disse...

A questão do sr. vereador é k se limitou a seguir o que a anterior vereadora do pelouro, madalena castro, tinha determinado. Ao ouvirmos o discurso do sr. ricardo barros facilmente se constata que nao é ele a falar.

Anónimo disse...

Embora viva longe de Oeiras porvezes consulto este Blogue para saber novidades. Acho espantoso o que se passa com a recolha do lixo. A Zalinda, como chefe de Divisão participou activamente na elaboração do Regulamento de Recolha juntamente com o Vereador Dr. José Eduardoi Costa e comigo como Director do Departamento do Ambiente. É estranho que as pessoas mudem de opinião assim tão rapidamente. Lamento pois Oeiras esteve na vanguarda na área do ambiente e em pouco tempo tem vindo a perder essa liderança. Quem tiver dúvidas que dê uma volta pelos municípios do Norte. LEITE PEREIRA

Carlos Silva disse...

Este Sr. Eng. Leite Pereira foi quem liderou o processo que tornou o município de Oeias pionero na separação de lixos. Foi encostado à box pela vereadora madalena castro, pos a câmara de oeiras em tribunal, ganhou e agora está reformado. Tudo o que ele criou conjuntamente com o então vereador jose eduardo costa foi destruído pela dupla madalena castro e zalinda boura, que ao velho estilo estalinista está a apagar o passado, para que não fiquem provas do excelente trabalho efectuado por eles. O Eng. Leite pereira disse tudo.

Pedro disse...

Senhor Carlos Silva só mais uma rectificação pois gosto dos assuntos transparentes. Há que recordar ainda o Eng. Carlos Raimundo que quando foi Chefe de Divisão dos Resíduos Sólidos implementou a reciclagem em Queijas. Quanto ao meu processo houve um acordo quanto à indemenização pois a dita madalena não compareceu no tribunal na parte da tarde depois das minhas testemunhas terem prestado declarações de manhã. Não deve teer gostado do que foi dito. Para mim este caso está encerrado e não voltarei a ele. Não é agradável ao fim de 20 anos de total dedicação e ter sido condecorado pela CMO com a medalha de ouro por serviços relevantes prestado ao municipio ver-me em fim de carreira com um processo disciplinar por ter outras ideias políticas.

Clotilde Moreira disse...

Mas que esterqueira que vai em Oeiras. Desde a Comissão Administrativa que a recolha de lixos tinha conhecido uma perspectiva positiva havendo necessidade de ajustar alguns aspectos à dinâmica urbana. Mas estas noticias baralham.

Sugiro que a CMO com toda a urgência faça uma informação actualizada - CLARA PRECISA E CONCISA - como a população deve proceder e institua também bons procedimentos camarários.
Clotilde

Carlos Silva disse...

Caro Eng.º Pedro Leite Pereira, quando referi k tinha ganho a acção à CMO, pelos vistos c/acordo extra-judicial, e k entretanto o Sr. estava reformado, não estava a fazer-lhe qualquer crítica, apenas a constatar o k se passou. Reitero que se vive uma época estalinista desde k a veradora madalena castro assumiu o poder, pois tudo tem feito para apagar aquilo k de positivo o sr. e o eng. raimundo fizeram. O departamento já cheio de medíocres, de boys.