quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"A minha alma está parva"




O homem "aparvalhou-se".

Obviamente que isto traduz uma emoção perante a realidade porém, como reconhece o “aparvalhamento" que lhe vai na alma revela, em simultâneo, uma incapacidade de entender essa mesma realidade. Tudo isto à luz do dia e num jornal “so called” privado.

Confusos? Eu passo a explicar:

Deram-me o Jornal de Oeiras (12/10 – ano VII nº 317) onde o sr. Nuno Campilho tem uma “coluna de opinião“. Ávida de um bom naco de prosa, tão difícil de encontrar pese embora VEXA a tal não nos tenha habituado, resolvo lê-lo, tanto mais que o título do dito artigo é “Minha alma está parva!”

O título, rezam as normas da escrita técnica, é essencial para chamar a atenção do leitor sendo que destapa subtilmente o conteúdo da prosa. É assim como espreitar pelo buraco da fechadura depois de acicatada a curiosidade.

Como é impossível resistir a tanto encanto, e sendo uma leitora compulsiva, resolvi apaziguar a curiosidade.

Para aqueles que não recebem o dito Jornal nem o conseguem encontrar, resumo o teor do desabafo:

Estava o dito cidadão posto no seu sossego desfrutando o fim-de-semana quando é confrontado com dezenas de SMS a dizerem-lhe que estava na SIC Notícias. Habituado às luzes da ribalta, intimo do narciso, orgulhoso do seu ego e ciente da importância da pertença a uma confraria (IOMAF), resolve sintonizar o plasma gigante no dito canal televisivo.

Pensava ele para com o seu ego, que teriam reposto uma reportagem sobre o SMAS em que expunha as mais finas teorias sobre a importância da existência da dita empresa municipal, nada de propaganda, tudo exposição técnica, que ele é um altamente qualificado em águas, ou não se chamasse Campilho.

Mas para seu espanto em plena hora do telejornal, dava-se como exemplo do despesismo o ajuste directo do SMAS para um jantar de 700 pessoas (todos eles maioritariamente funcionários) no valor de 66 mil euros.

E é a partir daqui que o artigo se torna verdadeiramente interessante e revelador da personagem. Revoltado com tamanha heresia começa a debitar justificações: Ele um “pobre gestor qualificado com um mini MBA”, fez uma ajuste directo para um jantar numa tenda com espectáculo. Deu, assim, emprego a muito freelancer de Oeiras porque a empresa era do concelho (E não disse, mas pensou - afastou os trabalhadores precários do Rendimento Social de Inserção e contribuiu para a diminuição do desemprego). Mais, como é muito poupadinho conseguiu até comemorar, em simultâneo, o aniversário da CMO.

Tudo isto na mesma barraquinha, perdão, tendinha onde o sr. Tino de Oeiras apareceu como “starring“ da ocorrência e “lui même“ como co-starring.

E se o mesquinho jornalista dividisse o preço do dito jantar pelo número de pessoas poderia perceber claramente que nem no McDonald’s se come tão barato, acrescido do facto de não terem direito a espectáculo.

Como não é homem de meias tintas e sempre disse tudo o que pensa, aponta o dedo à opção editorial da estação de televisão e questiona os gastos que esta faz com a “Gala do Globo de Ouro “ e com o seu 18ª aniversário. (Sente-se nesta passagem um “ressentimento“ por nunca ter ganho o “Globo de Ouro na categoria de actor cómico“)

Entre outras preciosidades, acaba o artigo a dizer que o escreveu enquanto cidadão e este não vincula o CA do SMAS.

É por tudo isto que a alma do sr. Campilho está parva. Eu estendo!

"Aparvalhe-se" lá à vontade porque, mesmo “aparvalhado” com tamanha ousadia da SIC, Vexa sabe que os munícipes de Oeiras e os cidadãos deste país à beira mar plantado, vão continuar a pagar a facturazinha da água e nem refilam; a pagar impostos sem olhar para trás e a não questionarem ou responsabilizarem quem de direito.

Somos “pobretes mas alegretes” não é verdade? Consequentemente, uma festinha de borla cai sempre bem. É o espírito “tuga”!

Evidentemente que todos sabemos muito bem, aprendemos até na escola, que o cidadão é apenas um pagante activo para que os “gestores da coisa pública", nomeados pela partidocracia vigente, gastem adequadamente, sempre, mas sempre, em proveito do cidadão.

É a democracia na sua essência e pureza: Votar de 4 em 4 anos e de preferência sempre nos mesmos. Temos direito ao voto desde que seja em vós, tudo o resto são deveres patrióticos.

E também, todos sabemos como as nomeações para os cargos são isentas. (É apenas um mero acaso e uma calúnia dizer-se que o seu presidente, aquele que o sr. considera como pai, foi condenado a 7 anos de prisão num Tribunal.) Portanto, pode e deve, em nome da transparência e do dever municipal de solidariedade chamado "Primus inter pares", apontar o dedo a uma gestão editorial e à liberdade de imprensa, por tamanha manipulação.

Tanto barulho por um jantareco. Pois claro! "Aparvalhou-se" e com razão!

Fica já aqui, se me permite, um conselho de pobre: Dado que estamos em altura de crise, quando quiser confraternizar com o pessoal trabalhador, perdão colaboradores do SMAS e CMO, sugiro que cada um leve seu “petisquinho” e depois partilhem irmamente.

Vai ver como a festa do IOMAF vai dar um artigo de estalo no Jornal de Oeiras. Dou-lhe até o título de um livro, também da Clara Pinto Correia, que tanto aprecia “Um esquema”.

Por fim, se permite apenas um reparo em nota de rodapé: Não compare o incomparável – A SIC é privada o SMAS não.

18 comentários:

Anónimo disse...

Tiazoca,
Este Senhor tem vindo a escrever na SUA dele coluna com muita falta de educação. A coluna é dele, o Jornal vive de anúncios e ele anuncia. É complicado para o Jornal.
De Tercena

Anónimo disse...

Está parva e levou com os pés. Este Senhor presidente de junta, dos Smas e da Assembleia escreve cá de uma maneira. Devia ter um filtro de boa educação.

Anónimo disse...

Não é só ele que está ou devia estar preocupado com os ajustes directos de aquisição de serviços. A pouca vergonha, a falta de respeitoto pela coisa pública, a gestão irresponsável e danosa de dinheiros públicos na Câmara e Smas de Oeiras é de bradar aos céus e pedir a intervenção da Polícia Judiciária e do Minsitério Público. O que se passa é o roubo legalizados dos dinheiros dos muníoipes e contribuintes, que deveremos, todos os que deles tiverem conhecimento, denunciar. Comparar com os Globos de Ouro? O dinheiro gasto pela SIC é privado, o dos SMAS e Câmara de Oeiras é público. Como diz um slogan do PCP, "o que é privado, é de alguns, o que é público é de todos." Esta é a ENORME diferença que Nuno Campilho e Isaltino Morais nao conseguem entender.

Isabel Magalhães disse...

Fico à espera que o 'Redactor' do Jornal de Oeiras venha a terreiro dizer ao cronista que cometeu um 'erro grosseiro' (até rimei!) ao confundir a privada SIC com a pública SMAS.

Isabel Magalhães disse...

Caro De Tercena;

Pois...!

Quem paga a PUB é uma E.P. não é o cidadão das águas. E se o cidadão separa as águas - como fez ontem - por que carga de água há-de ter uma coluna onde anda a meter água?! E não é de agora, já vem de longe... Quem não se lembra do 'Perfeito Filho Anormal Adoptivo'? (Sou como a 'Tiazoca'; uma leitora compulsiva!) ;)

E, desculpe a minha ignorância: porque é que 'é complicado para o jornal'? O jornal deixou bem claro na 'Nota de Redacção' do nº 316, o seguinte: 'o jornal tem uma Direcção de Informação, com liberdade e independência para decidir o que deve ou não deve ser publicado, tendo como principal objectivo o interesse público.'

Ou é sim ou é não. Não pode ser NIM!

Continue connosco! ;)

Isabel Magalhães disse...

Tiazoca;

"Tanto barulho por um jantareco."

Ou como diria Shakespeare "Much Ado About Nothing"! :)

Anónimo disse...

Nem todos os funcionários vão às almoçaradas e jantaradas. Só vão os lambe botas do costume, nomeadamente dirigentes e aqueles que lá pretendem chegar lambendo as botas ao lambe botas helvético.

Anónimo disse...

Pois é, o sr Campilho devia meter umas férias nas suas longas crónicas. Tem muito para se entreter olhar para a freguesia de Paço de Arcos e para os SMAS e encontrar melhor forma de se pagar menos nas facturas, reduzir as perdas de água.
De Tercena

AFS disse...

Tiazoca,
Clap clap clap. Ainda bem que fez este post... Bastaria a última afirmação para responder ao senhor das águas, mas não era a mesma coisa ;)

Anónimo disse...

As crónicas dele são chatas e compridas como o peixe-espada.

Anónimo disse...

Alguém me esclarece onde posso consultar o CV deste funcionario público de excelência que justifique o lugar que ocupa numa empresa como o SMAS.

Jorge Tinoco

Anónimo disse...

O jornal de Oeiras está completamente comprado, apertaram o cerco e agora só escrevem notícias pró-Isaltino

Isabel Magalhães disse...

Já que se fala em CV...

O abre aspas nosso fecha aspas salvo seja PM tem três CV oficiais.

Dois da AR sendo um o tão famoso diploma 'pescada' em que o engenheiro antes de ser já era.

Mais recentemente, aquando da Conferência na Universidade de Columbia, N.Y. - aquela em que o amigo Pinho o aconselhou a falar 'bed inguelish' - o Gabinete Oficial de SExa enviou uma 'interessante' biografia onde consta uma licenciatura em Engenharia pela Universidade de Coimbra, um MBA do ano de 2005 e - para compor o ramalhete - foi 'um dos fundadores' da JSD.

Agora é que é caso para dizer: Quando li a notícia no site da UC, NY, "A minha alma ficou parva!"

Anónimo disse...

Para que é que ele precisa do CV? Para um cargo político basta-lhe ser «O Perfeito Anormal Filho Adodptivo».

Makaveli disse...

Bom meus amigos, quando se pensava que já tinhamos a pior geração de politicos.

Aqui está a nova geração deles.

Perestrellos, Marcos Antónios, este e muitos outros.

É preciso exigencia e nível!

Acho que o nosso Primeiro Ministro a comparar com estes até parece um "bom" "Político" ...

Que triste sina a nossa...

Anónimo disse...

Não tem CV porque nunca fez nada...

Anónimo disse...

O CV do Campilho está no Linkedin

Anónimo disse...

Paço de Arcos está uma vergonha: graffitis por todo o lado, não há qualquer projecto de revitalização do centro, passadeiras que não se vêem, passeios sujos e sem pedras...o que é que este Senhor anda a fazer? Não tenho memória de que a freguesia estivesse tão degradada. Há uma ou outra recuperação de edifícios por parte de privados, porque os edifícios da CMO, aqueles que têm tela, continuam a cair aos bocados. É só fachada! Má sina a dos paço darquenses...