segunda-feira, 13 de junho de 2011

A falta de médicos portugueses

Ainda hoje não consigo compreender porque só alunos com 20 podem entrar nos cursos de Medicina. Quantos jovens, com notas médias, viram barradas as portas de um ideal onde poderiam ter sido exemplares. Não são os 20 valores que por si só garantem uma vocação, um desempenho humanitário nesta área tão sensível como a saúde.

Dizem – eu não quero acreditar – que se as médias fossem normais e, portanto, houvesse mais jovens a acabar o curso de Medicina não haveria lugar a cobrar-se os preços que muitas consultas custam. E não só as simples consultas mas muitas clínicas e serviços médicos não enriqueceriam os seus donos. E mesmo uma simples especialidade que é o dia a dia de qualquer pessoa, como dentes ou óculos, tem preços incomportáveis.

Isto terá de ser mesmo assim? Não seria mais correcto haver mais vagas para se formarem mais médicos? Não seria mais justo haver mais respeito pelo ser humano? Afinal a saúde tem de ser um grande negócio ou é possível encontrar formas de formarmos mais médicos e até apoiar aqueles que, com alma de João Semana, poderiam fixar-se junto das populações mais isoladas?


Maria Clotilde Moreira / Algés


Artigo publicado hoje nas Cartas à Directora do Público

4 comentários:

Isabel Magalhães disse...

De facto o '20' não garante, sequer, que o candidato frequente com êxito as aulas de Psicologia, como muitos de nós sabemos...

Helder Sá disse...

Lamentavelmente é uma situação com muitos anos que os governos do PSD e do PS nunca quiseram resolver. Os alunos portugueses têm de ir para Espanha e República Checa. Depois vêm médicos de outros países, com a consequente saída de divisas para os respectivos países. Por que é que um aluno candidato, com 17 valores, é admitido em Espanha e excluído em Portugal? À atenção do futuro 1.º Ministro Pedro Passos Coelho.

Anónimo disse...

Infelizmente os médicos para se fazerem pagar bem limitaram o acesso á profissão. A Ordem dos Médicos conseguiu junto do poder politico restringir o número de cursos e vagas em medicina, por isso as médias são tão altas. As boas noticias é que as vagas têm vindo a aumentar e as médias a diminuir e mais alunos podem cumprir o seu sonho de ajudar os outros em tão nobre profissão. Em Cuba, por exemplo, os médicos são de altíssimo nível e a saúde não falta ao povo. Esperemos ver o mesmo em Portugal, mas infelizmente, esta direita quer privatizar o serviço nacional de saúde pelo que temos que aguardar para ver o que realmente vai acontecer com este sector em Portugal.

Pedro Correia

Isabel Magalhães disse...

A mim não me choca que pague quem pode para quem precisa. Um contribuinte que ganhe vários milhares de euros por mês não deve pagar a mesma taxa moderadora (não sei se ainda se chama assim) que paga um reformado com uma pensão de miséria ou quem ganha o salário mínimo nacional. Digo eu, mas se calhar é porque estou à direita do PCP.